20.6 C
Ilhabela
22 C
Bertioga
20.3 C
São Sebastião
19.9 C
Caraguatatuba
21.8 C
Ubatuba
21.6 C
Guarujá
21.8 C
Santos
21.8 C
São Vicente
21.8 C
Praia Grande
sexta-feira, junho 24, 2022
homeNotíciasPolíticaRelatório que fixa limite ao ICMS de combustíveis é lido no Senado

Relatório que fixa limite ao ICMS de combustíveis é lido no Senado

Data:

Mais notícias

Prefeitura executa serviços de desassoreamento no Córrego Mãe Isabel na Topolândia

Praças e áreas de lazer foram revitalizadas nos bairros...

Prefeitura realiza ‘Arraiá da Inclusão’ voltado a pessoas com deficiência (PcDs) e idosos

A Prefeitura de São Sebastião, por meio das secretarias da Pessoa...

Servidores da prefeitura receberão curso de brigada de incêndio 

Treinamento acontece no próximo dia 30, na escola Tancredo...

Praia Grande oferece aulas de dança e esporte

PICs e Cafes da Cidade estão com vagas disponíveis...

Gonzaga completa 133 anos e se mantém como o queridinho dos santistas

Cartão postal e um dos endereços mais concorridos de...
spot_img

Parecer foi lido pelo senador Fernando Bezerra

Fonte: Agência Brasil

O senador Fernando Bezerra (MDB-PE) fez a leitura do seu parecer, nesta quinta-feira (9), sobre o projeto que estabelece um limite máximo de 17% para a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide em itens como combustíveis, energia e comunicações. A proposta será analisada pelos parlamentares na próxima segunda-feira (13).

“Já existem algumas sinalizações de que, se esse projeto cumprir os objetivos que se espera dele, porque esse projeto tem a capacidade de poder reduzir o IPCA em dois pontos percentuais até o final do ano. Se isso ocorrer, se o projeto for efetivo, o Brasil poderá ter uma inflação menor do que a inflação americana, depois de muito tempo ao longo da sua história”, argumentou o senador.

O relatório de Bezerra mantém os principais pontos estabelecidos pela Câmara. Entre as emendas apresentadas pelo senador está o dispositivo que confere segurança jurídica aos gestores estaduais. Assim, eles poderão reduzir a arrecadação do ICMS sem ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). De acordo com o regramento, um ente federativo não pode abrir mão de uma receita sem indicar uma nova fonte de arrecadação para compensar.

Bezerra acrescentou ao texto a redução a zero das alíquotas de PIS/Cofins (inclusive importação) sobre o álcool hidratado e o álcool anidro, além da gasolina – que já constava na proposta aprovada pela Câmara. Segundo o parlamentar, as medidas somadas representarão uma renúncia de aproximadamente R$ 17 bilhões.

“Como resultado do esforço adicional da União para a redução do preço dos combustíveis, incluímos no projeto, via emenda, determinação para que sejam reduzidas a zero as alíquotas da Cide-Combustíveis, da Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidente sobre a gasolina, até 31 de dezembro de 2022”, explicou.

O parlamentar afirmou ainda que, ao todo, a renúncia do governo federal deve alcançar R$ 32 bilhões ao incluir a alíquota zero do diesel e do gás de cozinha – que já alcançou R$ 14,9 bilhões.

As mudanças no texto, no entanto, não satisfazem completamente os governadores já que o ICMS é a principal fonte de arrecadação dos estados. Na avaliação de Décio Padilha, presidente do Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), “em 2023 os estados devem ficar ingovernáveis se o PLP for aprovado do jeito que está”.

Bezerra rebateu a crítica e afirmou que “a conta não será exclusivamente paga pelos estados”. “O sacrifício desses entes federativos não poderia passar sem que a União desse a sua contrapartida. Essa é, a nosso sentir, a grande contribuição do Senado para a proposta”.

“É evidente que as dúvidas existem, se esses benefícios vão chegar à ponta. Nós não estamos aqui tabelando preço”, disse Bezerra. “É evidente que as repercussões da guerra da Ucrânia persistem. A Rússia é responsável por 25% do diesel ofertado no mercado mundial.  É evidente que o prolongamento da guerra está pressionando os preços do petróleo, está pressionando os preços de energia. E é evidente que a qualquer momento a Petrobras poderá promover ajustes nos combustíveis, mas melhor com a alíquota mais baixa, melhor com a tributação mais leve”, acrescentou.

Fonte: Agência Brasil

spot_img

Já sabe da nossa newsletter?

-Fique por dentro das nossas notícias

-Não perca nenhum outro podcast

- Alertas sempre de uma notícia nova

Ver mais

spot_img

Deixe uma resposta

Por favor, deixe o seu comentário
Por favor, entre com o seu nome aqui